terça-feira, março 12

Romantizando a água que cai do céu!

Chuva na janela. Janela aberta. E molha, minha cama e chão, tapete e coração.
Chuva na janela, que rima com panela e doce de leite.
Chuva na janela, úmida, doce, gelada.
Chuva na janela. Pare chuva, molhada estou, e solitária e gelada. Pare chuva, vá.
Chuva na janela, e chove em mim, e em mim cai fina água ácida, que me corrói por fora o que o tempo, por dentro, já corroeu.
Chove a chuva, na minha janela. E minha janela é nada senão meus olhos, e a chuva leva escorrendo pelo vidro minha plácida realidade, e a realidade verdadeira, feia e imunda, e suja, me cega em seu clarão abrasador, e cega estou, e cega já não mais posso escrever.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Que tal seguir por email?

▲ TOPO