sexta-feira, maio 31

Felicidade

Nossa/Sua/Minha (?)
Que repleta seja (!)
essa desejada (,)
emancipada (,)
Felicidade (!)

segunda-feira, maio 27

Desânimo

Hoje não estou inspirada
Não quero fazer rimas
nem escrever (belas) palavras

Hoje não estou para brincadeiras
Quero mansidão e sossego
Quero paz, uma vida sem problemas

Hoje não quero mais viver
independente dos meus dilemas
quero a calma de uma pira, queime

Morram

Morram, morram todos, malditos esquizofrênicos
Morram, morram todos, indesejados do sistema
Morram, morram sim, de medo, de fome, de sede
Morram, morram logo, indignos das gentes
Morram... morreu um, faltam milhares

sábado, maio 25

Meu Diabo

O Diabo cantou em meu ouvido
uma música muito elegante e altiva
e foi um momento de emoção viva
encheu-me o corpo, tudo há sentido

O Diabo me amou em pura sintonia
com mil gentilezas impressionantes
expulsou o vazio com sua companhia
e foi-se, e o inferno, mesmo de antes

quinta-feira, maio 23

Mim

Queria mais de mim 
em você
E menos de você 
em mim
Pois mim está cansada
da ignorância do meu
desejo por você 
Mim quer mais amor
e mim quer você
Quer que você
verdadeiramente
considere o meu
Eu!

De que vale mesmo a beleza?

Me fale de beleza, narigudo sensual
Me explique altivez, barrigudo de boa lábia
Conte mais sobre amor, amante coxo
Fale-me doce vesgo, da loucura da língua, 
seja  qual for sua nacionalidade

Fale-me da beleza, interior, exterior
do que vale ela pelo sabor das mãos quentes,
do proveito do gozo, da satisfação do corpo
que sem ser belo, é ainda assim, todo repleto

quarta-feira, maio 22

Vingança

Brincando estás tu, velho amigo dos meus pesares. Brincando com meu corpo, minha mente e minh'alma. Brinca comigo, me deixa de lado e para outra, parte. Olha, velho amante, nem só de desilusão e pouco gozo vive minha branda calma, nem de dissabores... Quero ver brincar você, duro, dentro de uma lustrosa caixa, ornada em cedro e padecer.

segunda-feira, maio 20

Promessas

Da felicidade a
que compreendo
ser feliz requer
breve amor - de
você prometido
nunca cumprido

sábado, maio 18

Amor meu

Eu diria (meu amor),
eu diria, com todas
as letras que:
'Amo-te em mil
versos e poesias...
se de meu amor,
fosse você,
mais atenta!

sexta-feira, maio 17

Vamos?

Vamos ler frases de auto ajuda
vamos fingir que tudo entendemos
malditos que você e eu ignoramos
e não atinge nossa mente descrente
e vamos ouvir música romântica
pretender viver um amor
que encante e inveja provoque
em nós idiotas e algo sofredor
vamos glorificar o que vivemos
vamos sonhar que entendemos
vamos amar o que nem queremos
vamos ser nada do que podemos

quarta-feira, maio 15

Selvagens

TODOS OS HOMENS SÃO IGUAIS
MENTIRAS VELADAS SOBRE IGUALDADE
OS HOMENS NÃO SÃO SÓ SOCIAIS
RAZÕES DIFERENTES SOBRE LIBERDADE

AQUELES HOMENS SÃO TODOS NORMAIS
ILUSÕES PERDIDAS SOBRE MORALIDADE
HOMENS TÃO DIFERENTES E BANAIS
SELVAGENS VESTIDOS DE HUMANIDADE

segunda-feira, maio 13

Caixas de sapatos

Caixas de sapatos. Empilhados, enclausurados, amassados. Minhas coisas sobre as suas, suas coisas sobre as deles e nossas coisas acima de todos, e tudo, e não temos portão. Claro, temos um portão, mas não é teu, nem meu, é de todos, e o que é de todo mundo a ninguém pertence. Vê? Caixas de sapatos, uns sobre os outros e os outros sobre nós. Não vamos estender a analogia para um campo mais filosófico, ou político, vamos nos concentrar numa verdade, somos sapatos sem dono, morando uns sobre os outros, sem par, sem cor, sem graça nem grana.

domingo, maio 12

Ai saudade...

Sinto-me infeliz, com a saudade
a fazer jogos em meu peito
casa sem teto nem qualidade
faz de mim corpo suspeito

Sinto querer chorar à vontade
mas meu sono é eleito
causador da minha maldade
Pranteio infinitos defeitos



sábado, maio 11

Elas

Mulher amável
querida senhora
velha preocupada
Razão do meu viver!

Louca com sentimentos
libertadora dos meus medos
fazedora de sonhos
criadora de histórias
Mulher de minha vida!

Nesse momento, longe
Invejo você (leitor) agora
que abraça com amor
a pessoa madura
que é sua mãe!



O segundo domingo de maio elegemos como marco para comemorar o que nos é importante desde que nascemos, e fomos acalentados em seio macio. O Dia das Mães, é simbólico, e hoje mais comércio que tudo, mas convenhamos que é bom expressar amor em datas marcadas, mas nada se compara a dar amor em dias nebulosos e comuns. Mas, que todas as mães, sejam jovens, sejam não tão jovens assim, tenham filhos que as amem, em igual proporção. Felizes!

quinta-feira, maio 9

Velho inimigo

Por onde andaste tu?
Velho amigo
Necessito-te aqui, 
não por querer, mas, 
por falta de opção

Aquele momento primeiro
que em mim tocaste
tua forma velha, e então,
por onde andas hoje?
Talvez destruído, 
talvez vivo, 
talvez lá longe,
talvez em meu bolso,
talvez não

Por onde andaste tu?
Velho inimigo,
Querido Dinheiro

quarta-feira, maio 8

Morte

Sinta o som, que revoa, o ar. Sinto o ar, que infiltra, meu coração. Sinto a música, que envolve, meu corpo. Sinto o sentimento, que carrego, em mãos, cansadas falidas velhas. Sinto o ódio, do som, que mata, meu corpo. Sinto o ar, que falta, em meu, pulmão. Não sinto, nada mais, do que, era eu, e não sou, nunca mais, corpo vivente.

segunda-feira, maio 6

Loucos

Loucos, somos todos meio loucos, meio malucos, meio mais ou menos.
Ah que bela loucura é poder praticá-la!
Essa loucura que me atrai, me envolve e me leva...
leva-me já longe, pra lá das fronteiras da mente e do fraco.
Loucura pueril, loucura sensual, loucura sem fim, loucura.
E esse sentimento de exatidão que se destrói, que se esvai e me vou
com ele, nessa tontura de alegria, nessa explosão de sentimento.
Louca, por fim, louca e feliz, louca riscada, rabiscada, inflamada,
amada, e só.

sábado, maio 4

Passado

Hoje vivi o passado
não o meu exatamente
mas aquele, profundo
dos tempos imemoriais
do povo escravo e dos reis
exploradores
O passado que de tão longe
parece irreal,
algo de fantasia e plena
falácia

Memorei o passado
que poderia ser o meu
lado negro escravo
lado branco e seus carrascos
lado brasileiro sarapintado
que o museu canta em
poços de lembranças velhas

sexta-feira, maio 3

A flor

Ontem nasceu uma flor
em meu coração ateu
já seco, e que floresceu
belo e formoso esplendor

Ontem fiz-me de calor
e minha flor bebeu
lágrimas velhas sorveu
daquele choro de amor

Hoje tudo virou bolor
matou ela o que era eu
transformou-me em teu
escravo amante do horror

quinta-feira, maio 2

Falta

Aqui esta faltando tudo. Falta vontade de trabalhar, de comer, de sair da cama, de passear, de trabalhar, de acordar, de namorar, de trabalhar, de estudar, de se mexer, de cozinhar, de ter sentimentos, de fazer críticas, de ler notícias e assistir televisão e de trabalhar. Aqui continua faltando coragem, bom humor, saudade, ódio, tristeza, inveja, sonhos, inspiração. Aqui esta faltando o acento do está e faz falt.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Que tal seguir por email?

▲ TOPO