sexta-feira, julho 5

Sufocada

Sufocada, meu ser desce garganta abaixo, engolido pelo meu desprezo, e estúpida comiseração. Sufocada, pelas mãos que provém e desferem injúrias, e sufocada pela espera, pelas pessoas, inúteis acomodadas. Sufocada pelo mundo, que descansa em minha cabeça, assim que pousa ela, sobre o travesseiro, algoz noturno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Que tal seguir por email?

▲ TOPO