quarta-feira, maio 7

Visitas noturnas

Eu não creio em diabo, mas todas as noites ele costumava me visitar. Chegava vermelho em sua masculinidade, abria minhas pernas e me possuía, com vigor. Derramava seu sêmen no meu ânus estéril e dizia, com voz gozada, quão seguro eu estava, que ele me cuidava, que me amava. Bendizia minha incapacidade de falar, e secava minhas lágrimas, dizia que chorar era bom para os dutos lagrimais. Até os dias de hoje sinto dúvidas se o vermelho era o sangue das fezes (tão proclamado pelas babás), ou a cor de seus olhos (que eu imaginava na única cor que presumia conhecer), se o aroma de enxofre era dele ou meu, se na escuridão dos meus olhos cegos eu realmente via sua luz rubra, seu contorno com chifres, sua língua boca afora. Não, não, minhas dúvidas são dolentes demais para rememorar.
Mas em meus sonhos, em todos os sonhos, em todas as noites – que pra mim não tem diferença, sinto a mesma dor, o mesmo medo, o sempre desespero que sou partidário, que não vivo sem, que me faz viver, para todos os dias gozar da vida, seu aroma fétido, sua cor escarlatina, seu tom ofegante, sua mordida cheia de dentes, seu sêmen de fogo. E no fim, para coroar minhas memórias, o rangido da porta e seu clique silencioso… se ele entrou ou saiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Que tal seguir por email?

▲ TOPO